.

.

20 de dezembro de 2010

Silêncio


Ele diz... Silêncio !
De um pouco de espaço a mim
De um pouco de vida ao que sou
E descobriras que sou apenas
O sonho tardio na calada da noite
O que sorrateiramente... Vem roubar seu sono.
Sou o espaço vazio na beira do abismo.
Obscuro e impenetrável
De um pouco de espaço a mim
E descobriras que sou apenas...
Silêncio.

F.G.



Ao Luar (40)

Brisa suave .Que doce sopra

Venha me dar vida...Nesta seca alma

Brisa suave.Leve-me
Já não quero aqui ficar
Quero os seus braços .Onde o medo não .
Venha, sobre minha pele
Acariciar-me. Oh!Brisa suave
Toque minhas asas...
E sopre o seu encantar
Para que a vida venha aqui em eu estar.


F.G.


Ao Luar (39)


Sinto como se você...
Se fosse com o vento.
Onde eu não toco.
Onde meus olhos não estão.
Difícil é me olhar...
E me ver sem você.
Sem o seu sorrir...
Mas o vento lhe trouxe.
E assim o leva de mim.
As palavras jamais serão esquecidas.
Provei que posso ama-lo
E nada, pode dizer o contrario.
Pois eis que minhas lágrimas assim dizem.
Sinto como se você...
Se fosse com o vento.
Isso mata minha alma.
Difícil é me olhar... E me ver sem você.
Mas o vento lhe trouxe.
E assim o leva de mim

F.G.

Ao Luar (38)

Escute-me
Não se vá... Não me deixe...
Dance comigo e me de asas negras
Quero voar em teus braços...


Escute-me
Por um momento.Estou aqui por você e para você
Deixe-me descansar em teu peito...
Por mais frio que este esteja.


Meu respirar é por ti
Meu morrer é para ti
Meu cantar é para ti


Leve-me para as sombras ...
Onde posso toca-lo e ama-lo
Quando a vida se esvai... A minha se preencherá.


Não me deixe só com a noite fria
Se em teus braços posso estar...
Volte e me traga o beijo doce da morte
Desejo-o para contigo ficar


... Eu clamo por ti...
... Eu quero a ti...
Não a mais melodia... Nem música a mim
Somente esse amor que me tira a vida aqui.


Escute-me
Deixe-me tocar a dor da eternidade.
Mas devolva ...O seu dançar
E seu silêncio ao luar.




Escute-me
Não me deixe... Não se vá...
Estou aqui por você e para você
Beije-me... Pela vida... E pela morte.


Escute-me
Enquanto as lágrimas caem...
Não se vá... Não me deixe...Pois em meu sussurrar...


...Eu o Amo...


F.G.


(Poesia Inspirada em "Lacrima" de Moacir Novais)


































































17 de dezembro de 2010

Ao Luar (37)


Mais uma noite.
Mais um momento
Somente meu...
Mais um tocar
E um desejar...
Mudanças ocorrem
Sutis e Suaves
Na superfície da minha alma
Sinto o cheiro do pó...
E da mobília...velha..
Os livros ainda estão lá..
Com seus mundos...
E suas verdades
Mais uma noite.Mais um momento
Em que tudo... é somente meu.


F.G.

Ao Luar (36)


Na beira do abismo

Quando temos que escolher
Ironicamente... O que a para se escolher?

Ou se pula... Ou se pula.

Na nobre arte de estar vivo
Ironias são bem mais comuns do que vemos
São mais fáceis
Do que ver alguém dançar na chuva

Ou cantar uma simples melodia
Não quero a ironia de pular. Não escolho pular

Então, na beira do abismo
Escolho ter asas imensas

Negras como a Noite...e fortes como os ventos.

Mas,ainda estamos na beira do abismo
Quando temos que escolher

Ironicamente... O que a para se escolher?

Então, na beira do abismo....
O que fará?

F.G.




12 de dezembro de 2010

GREENSLEEVES

Ao Luar (35)



Sou...
Lua em Lua...
Fases em Faces...
Canção em Desarmonia...
Desarranjo e Arranjo...
Sou...
Lua em Lua...
Melodia e Harmonia...
Pele e Boca...Toque e beijo..
Anseio...e medo
Sou...
Lua em Lua...
Fazes em Faces...Quando sou sua.


F.G.









11 de dezembro de 2010

The voice within

Ao Luar (34)


Quando me envolve

Meus pés flutuam

Meu corpo estremece
Tua vida me aquece

Esqueço de quem sou
De quem fui...e do que sou

Quando me envolve

Só ouço a sua voz a me chamar

E em seus lábios ela me desejar

Aqui...Esqueço de quem sou.

F.G.








Ao Luar(33)


As palavras fogem de um ser comum...
Mas nunca daqueles que desvendam seus segredos
Não daqueles que amam os seus meios
E desconhecem o que é estar sem medo
Mas se assim o for...
O Poeta que escreve para suprir seus pesadelos
Nada mais teria se não uma folha em branco?
As palavras fogem de um ser comum
Mas nunca,de seres que vêem mais que a Lua.
Que dançam com o Vento...e cantam com a Água.
Estes são os " Equilibristas de Palavras".
Os mesmos que amam em um olhar...E encantam ao falar.
Mas se assim o for...
Vedes...e vedes bem...
....Que hoje estas aqui a me encantar!


F.G.




Ao Luar (32)

Quando ouço meus passos
Descubro que ao caminhar

Posso ser o que quiser
Sozinhos...Livres e soltos

No horizonte da vida

Somente meu "Eu" me espera.

Mesmo,que a espera seja desmedida e sofrida!

Encontro pessoas que assim me alegra

Mesmo,nos braços das letras mortas

As asas...Não esquecem

...Como é os ventos a tocar-las.





F.G.


7 de dezembro de 2010

Ao Luar (31)


Pare ...Sinta...
Ouça...Doa...
Sofra..Pare...
Cante...Dance...
Com a Música ao seu alcance
Triste ou Alegre melodia
Não importa...Sinta!
Pare...olhe...e veja você
Mestre encantado..
Em um sonho desolado
Pare...por breve momento..
E sinta seu coração bater...

F.G.




5 de dezembro de 2010

Ao Luar (30)



Há um gosto amargo em minha boca
Palavras que me faltam
Sorrisos que se foram
E mais uma mágoa que ficou
Nunca senti seus lábios...

Mas me deste um beijo gélido e mortal
Com gosto de mentira.
Nunca senti suas mãos ...
Mas me tocastes com as garras da morte
Nunca ouvi sua voz ....
Mesmo assim me encantastes... em seu mundo.
Eis que cega fui.
Mas é o que é...
Seduz pela beleza e vaidade.
Pobre " Tola " ...
Essa que pensava que poderia acreditar-te.
Dizia:"Palavras de Ferro" .... vou te dar.
Ingênua...
Crer que um " Grão- Duque Negro"
Iria com ela fiel estar.
Dizia: " tanto lamentar"...e agora?
Acabou ... tudo a se findar




Achava ..que era belo seus olhos...
E que neles iria confiar...
Mas hoje sei...
Que esse gosto amargo em minha boca.
É o seu a me ... Decepcionar


F.G.

3 de dezembro de 2010

Ao Luar (29)


Chama-me
E serei sua... Cantarei a ti.
E tua vida... Estará em mim
E com o véu da noite... Amarei-te aqui
Pois com os ventos... Estarei em seus braços
E serei sua...E tua vida...Estará em mim
Chama-me... Com a Luz da Lua.
E dançarei a Ti...

F.G.

2 de dezembro de 2010

Ao Luar (28)

Não a ninguém aqui...

Eu posso sentir os dedos do vazio

O cheiro da morte
Que nenhum incenso cobre
Posso ver a dor dançar
Ao som do medo que me consome
Não a ninguém aqui....
Neste espaço pequeno e frio
se .... Encontra eu e o vazio!
Com seu carinho
Amargo e cheio de fel
Mas o que posso eu fazer ....
....és minha companhia....
Seus braços me acolhem
No momento em que a solidão..consome-me...
Não a ninguém aqui.


F.G.





25 de novembro de 2010

Ao Luar (27)


Mais uma noite
Mais um sonho
Ao abrir dos olhos
Somente a escuridão me encontra
Como se..."Eu"... não existisse
Como se...esse corpo não doe-se
Como se... meu coração não bate-se
É só mais um sonho
Mais uma noite...
Que ao abrir dos olhos...
"Eu"...não me encontro.

F.G.


Ao Luar (26)

Quando sou somente eu
Esqueço-me dos encontros
E revivo meus desencontros
Nas mãos esta o vazio
Em meus lábios o frio
Em minha beleza pálida e gélida
Sinto o medo
Pois aqui não pertenço...
Quando sou somente eu
Vejo minhas mãos vazias...
Meus lábios frios...
Meus braços....quebrados
e meu coração partido
E tudo que sinto........ é o medo desse vazio .

F.G.

























14 de novembro de 2010

Dreams

Ao Luar (25)


Não estou em seus braços
Onde o medo se esvai... E meus sonhos são reais
Não escuto sua voz
Que me embalava ... Nas noites turvas
Não sinto seu cheiro...
O mesmo que me fazia... Perder o medo
Não, não estou em lugar algum...
Estou perdida em meio o tempo
Não escuto sua voz
Não sinto seu cheiro
Não estou em seus braços.
Estou perdida em meio o tempo.
Onde não a acalento.

F.G.

Ao Luar(24)

Muitas vezes...
Aqui me sento... E me calo
E ouço o vento...
Me trazer seu alento..
Muitas vezes ...
Paro no tempo...e me vejo por um momento
Onde minhas mãos ... Não tocam
E meu ser ... Não anda
Muitas vezes...
Aqui me sento ... E me calo
Esperando o tempo...

Passar com o vento.






F.G.


Ao Luar (23)

Queria ver mais ... do que vejo
Queria sentir mais...do que sinto
Queria ouvir mais...do que ouço
Mas a única coisa que posso...
É ser Eu...
Com os olhos tristes...
Com a dor em meu peito...
Com a solidão a me falar...
Com os pés no chão ...
E lágrimas no olhar...
F.G.

Ao Luar (22)


Não estou em mim
fugi...e corro para ti
Em sonhos ...seus lábios...
Estão entre os meus
E seus dedos sobre minha pele
Em sonhos...seu calor é meu desejo
E sua vontade...meu tormento
...Onde sou somente sua....
Não estou em mim...
Pois o querer me consome
Hoje fugi...para seus lábios tocar
E em minha pele ...o seu cheiro ficar
Em sonhos....está meu tormento...
Porque ...hoje só sei te desejar
F.G

7 de novembro de 2010

Ao Luar (21)


Não deseje meu toque
Nem o calor de meu corpo
Só o frio e o medo
Me tomam conta
Não pense em mim
Não me queira...
Se solte e voe..
...Escolha o seu horizonte...
Não caminhe para mim
Não me siga...
Só vá em frente
Pois aqui só ficará meu sofrer
Não deseje meu toque
Não pense em mim
Não caminhe para mim
Se solte e voe...
...Onde o frio não se encontre.
F.G.

Ao Luar ( 20)

Lua
Venha com o seu brilhar
Hoje, aqui estar
Minha alma
Quer contigo dançar
E assim ficar
Encantada em seu olhar
F.G.

30 de outubro de 2010

Lift Me Up

Ao Luar (19)

Nada posso fazer com as gotas de orvalho
Surgem como um respirar da alma
Uma brisa da vida...
Que nos braços do vento...
Nunca mais irão estar...
As colherei e as darei ao luar
Para assim acariciar minha face ao falar.
E quando as mesmas surgirem ...
Sempre a ti irei lembrar...
Com as gotas de orvalho...
Que a Lua...ficará.
F.G.

Ao Luar (18)

As lágrimas... dançam sobre o poema
Assim como a dor brilha em suas palavras
Onde o sofrer se torna beleza
E a beleza o espelho do remoto eu...perdido
Poema único...
Poema meu...
Assim como deves ser...
Solitário ao falar ...
E... belo ao chorar.
F.G.

Ao Luar (17)

Minha Lua
Leve-me...Tira-me...
Dos braços frios da dor!
Envolva-me...Toque-me..
E me traga o seu calor
Escuta-me...Alcança-me...
Pois tudo me é consumidor
Minha Lua
Leve-me...Envolva-me...Escuta-me...
Pois hoje aqui não estou..
F.G.

24 de outubro de 2010

19 de outubro de 2010

Ao Luar (16)

Sempre é assim ao final
Meus braços vazios
Meus lábios frios
Minha alma no escuro
Não...ah um querer..
Nada a mais a mim
Vou caminhar...
Até a Lua me levar
Em seus doces braços
Ao eterno Luar.
F.G.

Ao Luar (15)

Desejo seus lábios
Entre os meus...
O seu toque
...em minha pele
Desejo asas...
Para voar e contigo
...em um breve momento estar.
F.G.

Ao luar (14)

Com teu toque
Senti a rosa desabrochar
Com teu amor
Descobri o gosto de amar
Com teus olhos
Descobri o medo...em suas lágrimas a me olhar
És minha angustia..por a ti desejar
Nos teus braços
Senti amor por uma... eternidade.
Pelo simples fato de aqui estar.
F.G.

Ao Luar ( 13)


Tudo em más palavras
Tudo em medidas erradas
És assim que me falas...
Onde o saber é nada
Tudo acaba...
Tudo se desfaz...
Diante dos teus olhos...
Sem poder gritar
Assim se faz
O principio do desamar
O principio do chorar
Tudo em más palavras...
Onde o saber é nada
Diante dos teus olhos...
Tudo acaba.
F.G.

Ao Luar (12)

Sempre só...
No meu Caminho
Onde o vento...
Canta sozinho
Onde os passos..
Apenas me levam...
Onde a alegria e a dor...
Estão juntas..na face do amor.
Queria dar as costas...
Somente esquecer
Mas meus passos ..me levam
Onde o vento...
Sempre
Canta sozinho...
F.G.

13 de outubro de 2010

Ao Luar (11)

( À uma Amiga )
Espelho.
Diga- me o que vejo?
Me fales sem rodeio.
Essa sou eu?
Sem o espelho...
Atemporal...Em meio ao vão do tempo.
Espelho.
Te dei vida ...
E acabei desiludida.
Ah! Espelho!Espelho meu...
Saibas que meu amor é teu...
Mesmo roubando o meu eu!
Espelho.
Espelho meu...
Diga-me o que vejo?
O vão do tempo...
Onde o Espelho não é meu.
Ah! Espelho!Espelho meu...esta sou sem o teu eu.
F.G.

Ao Luar (10)

( À uma Amiga )
Rara...
Como o vislumbre do pôr do sol.
Encantada Lua lá no céu
Fazendo à sonhar...
Há Eclipse no mar...
Há Eclipse no cantar...
Tem Eclipse no Luar!
Lua Roxa...
Brilha sem nos ofuscar
És rara para mim
Assim como seu toque no mar.
Venha oh Lua ...
Deixe a Eclipse chegar...
Para assim nos encantar.
Pois hoje..
Eclipse no céu vai estar!
F.G.

Ao Luar (09)


Sua ausência me atormenta!
Minha alma ...se lamenta
Minha pele ...te almeja
Meus lábios...te deseja
Meus ouvidos ...te escuta
Meu espírito ...te alcança
Mas...é...meu corpo quem delira!
Com essa ausência que me atormenta!


F.G.

29 de setembro de 2010

28 de setembro de 2010

Ao Luar (08)

O vento da Primavera
Vem com o despertar...
Traz em seus braços a Paz
Crescimento para todos fertilizar


Segue Eostre
Com suas flores a cantar
E o sol a brilhar em seu olhar


Tempo de Vida...
Fertilidade e Magia
Do renascer da Primavera
Hoje aqui está!


Em sua Lua Crescente...
Irá dançar...
O vento da Primavera
...em seu Luar.

F.G.

Ao Luar (07)

Escondo-me
Ao ouvir sua voz!
Seu som traz algo inalcançável
Tua vida em mim!


Me leva ao desconhecido
Com o medo a me rondar...
Sei que sempre estarás lá!


És minha Magia...
Meu respirar...
Meu caminhar...
Mas, estou cega e sem ar.


Escondo-me...
Ao ouvir sua Voz!
Sua melodia...será que irei escutar?
Me leva ao desconhecido.
Sei que sempre estarás lá!

F.G.

Ao Luar (06)

Doce Lua em caminhos...
Onde somente a saudade se encontra
O irreal se torna real
Passos escuros, mudos sem respirar
Sem o bater das asas de um coração
Esta, hoje é minha canção!
Passos soltos ...trilhados pelo vento
Meus sonhos não encontram acalento.
Busca incansável
Em que o mundo... é meu tormento
Onde nada há...
Alem de caminhos no vão do tempo.

F.G.